"... temos que contribuir efetivamente para melhorar o mundo, para além das matérias que fazemos", diz Mané

Manuel Alves Filho é homenageado em Campinas (SP-Brasil), durante a 14ª edição do Prêmio FEAC de Jornalismo, pelo trabalho voluntário que realiza há 8 anos para a Apascamp

Que o Mané (Manuel Alves Filho) adora cozinhar e experimentar novos pratos e cervejas, todos os colegas já sabiam, mas aposto que a maioria não fazia ideia de que ele também é um jornalista cidadão. Isso mesmo! Há oito anos ele doa seu talento e experiência à Apascamp (Associação de Pais e Amigos dos Surdos de Campinas).  A oportunidade de conhecer esse lado tão humano do jornalista foi dada aos colegas na última terça-feira, 13 de Dezembro, durante a 14ª edição do Prêmio FEAC de Jornalismo, em Campinas (SP- Brasil).

“Eu sempre quis fazer algum trabalho voluntário, por entender que temos que contribuir efetivamente para melhorar o mundo, para além das matérias que fazemos”, explica Mané, que já soma 25 anos de carreira, com experiências em Jornalismo Impresso, Rádio, Internet e Assessoria de Imprensa. Na Apascamp, ele atua como assessor de Imprensa e também integra a diretoria e o Conselho da entidade. “Além de divulgar, ajudo a discutir os rumos da associação, a organizar eventos etc.”, conta.Questionado sobre a diferença entre o trabalho nas Redações e esse para a Apascamp, Mané respondeu: “Na Redação, temos contato com a realidade, mas não necessariamente com a realidade mais íntima das pessoas anônimas, que dependem do Estado e das ONG´s para terem, ao menos, parte dos seus direitos atendidos. Imagine você poder acompanhar a evolução de uma criança, que chega na entidade sem conseguir se comunicar com o mundo à sua volta, e depois de alguns meses poder observá-la já fazendo uso da Língua dos Sinais, se comunicando, rindo? É muito gratificante!”.

Prêmio

Por isso, Mané foi escolhido para receber o Troféu FEAC-DPaschoal Jornalista Solidário 2011 e um cheque de R$ 3,5 mil. A Apascamp é uma das entidades conveniadas à FEAC (Federação das Entidades Assistenciais de Campinas). Em discurso improvisado, ao receber a homenagem, ele agradeceu e observou a importância do Prêmio, por “valorizar o Jornalismo comprometido com as causas sociais”.

Os premiados da noite (da direita para a esquerda): José Eduardo, Kátia, Mané, Wellington, Flávio, Bárbara e Pedro Luís. À esquerda, Caco Barcellos

Outros seis profissionais de Comunicação, que trabalham na região de Campinas, receberam o Prêmio FEAC de Jornalismo 2011. O maior premiado da noite foi o jornalista Flávio Botelho, por sua reportagem ‘Reciclagem e arte transformam a vida de meninos carentes da região do Jardim São Marcos em Campinas’, veiculada pela Rádio CBN Campinas. Além de vencer na categoria Rádio, ele recebeu o Grande Prêmio, por isso levou pra casa o total de R$ 7,5 mil. Os demais profissionais de Comunicação, premiados com R$ 3,5 mil cada, foram:

– José Eduardo Fortes, do Grupo RAC (Rede Anhangüera de Comunicação), na categoria Fotojornalismo, com a imagem ‘Menor é aprovado para curso no Bento Quirino’;

– jornalista Bárbara Guatieri Beraquet, do periódico A Tribuna, na categoria House Organ, com a reportagem ‘Ser criança… tudo de bom’;

– jornalista Kátia Margarete Camargo Marson, do Grupo RAC, na categoria Mídia Impressa, com a reportagem ‘Médico cheio de truques’;

– jornalista Wellington França Bueno, da TV Band Campinas, na categoria Televisão, com a série de reportagens ‘Amigos do bem’;

– cinegrafista Pedro Luís Sardeli, também da TV Band Campinas, pelas imagens captadas para a reportagem ‘Tae Kwon Do, um golpe de cada vez’.


Caco Barcellos e Natália Ariede

Caco Barcellos destacou a fundamental importância do cinegrafista na reportagem de TV

Os jornalistas Caco Barcellos e Natália Ariede foram os mestres de cerimônia da solenidade de entrega do Prêmio FEAC 2011. “A gente sabe que reportagem de TV é produzida em equipe, por isso todos os profissionais envolvidos são importantes, mas o cinegrafista é mais, porque sem ele a TV seria Rádio”, considerou Caco Barcellos, durante a entrega do Prêmio a Sardeli.

Os vencedores foram escolhidos entre 84 trabalhos inscritos, publicados ou veiculados entre 4 de Outubro de 2010 e 4 de Outubro de 2011, com abordagens relacionadas ao tema “Experiências educativas, artísticas e culturais que transformam a realidade social”.

A edição deste ano do Prêmio FEAC de Jornalismo contou com apoio especial do Grupo DPaschoal e apoios do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo – regional Campinas, da Associação Campineira de Imprensa (ACI) e da Associação Brasileira das Agências de Comunicação (Abracom).

Fotos: Rildo Cundiev, especial para a FEAC. Veja mais imagens na página da FEAC no Facebook